Sinta-se Bem Hoje!

Atrair homens

9 de abril de 2016

Romance

Afinal, o que atrai os homens?

Não é possível afirmar com precisão, pois os gostos dependem da educação, da personalidade ou idade do homem. Mesmo assim, ao longo dos anos foram observadas certas preferências que permanecem mais ou menos parecidas em todos os homens.

Como mulher que está interessada em alguém, você fica curiosa para saber o que atrai os homens? Ou você é um homem e quer saber o que o destaca dos demais? De qualquer forma, para esclarecimento, vamos descrever a seguir os vários aspectos femininos que podem atrair os homens.

Apesar de todas as controvérsias, todas as mulheres pensam: “os homens só se interessam pelo aspecto físico”, “gostam de mulheres bonitas e magras”. Bem, vamos por partes. Primeiramente se um homem quer um relacionamento passageiro com uma mulher e nada mais, com certeza estará interessado somente no aspecto físico. Mas, se um homem estiver interessado em “algo a mais” com essa mulher, vai começar a olhar além da aparência.

O fato do homem não se importar com a aparência exterior significa querer uma relação séria? Não é bem assim. Se o homem não ficar atraído pela mulher num primeiro contato, poderá perder o interesse rapidamente. O físico é importante a curto prazo, porém não é imprescindível. Muitos homens não são atraídos por mulheres “fúteis”, que cultuam somente o corpo, querendo chamar a atenção pelo seu aspecto físico. Essas mulheres são consideradas “cabeça oca” e têm somente a aparência para seduzir um homem.

Mas claro que ter um corpo escultural, adicionado com uma personalidade forte e uma inteligência adequada, vai atrair mais facilmente os homens a nossa volta. Gostando ou não, a primeira impressão causa um grande impacto na decisão de alguém começar a conversar com você.

Por isso muitas mulheres procuram desesperadamente em maneiras de aumentar o bumbum rápido. Ou até mesmo para algumas, maneira de dicas para aumentar os seios.

Além disso, às vezes, colocar uma roupa mais curtinha ou um biquini na praia, parece ser uma tarefa muito difícil para muitas mulheres por causa de celulites e estrias. Procuram cirurgias, tratamentos e chegam até ao ponto de tomarem curar estrias.

 

Mas nada disso importa se você não estiver satisfeita com você mesma. Algumas mulheres chegam ao um extremo que mesmo já alcançando um corpo bonito, nunca parecem estar satisfeitas consigo mesmas e acabam desenvolvendo doenças ou exagerando nas mudanças com cirurgias e, em alguns casos, levando à morte.

Por isso o mais importante é sermos sóbrias e termos saúde! Tudo deve ser feito com moderação e estarmos felizes com o que somos!

Qualidade de Vida e Saúde

11 de março de 2016

 

Liberdade

Qualidade de vida indica o nível das condições do ser humano. Condições que envolvem desde o bem-estar físico, mental, psicológico, emocional, relacionamentos sociais e também a saúde, a educação e outros fatores da vida.

Existe um método científico utilizado para medir a qualidade de vida das pessoas. Por exemplo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um questionário para verificar o nível da qualidade de vida dos diferentes grupos sociais, de diferentes países e culturas.

Esse questionário é composto por seis fatores: físico, psicológico, nível de independência, relações sociais, meio ambiente e aspectos religiosos.

O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) – é um modo de medir a qualidade de vida nos países, levando em conta a riqueza, a qualidade do processo de alfabetização, a educação, a expectativa média de vida, índice de natalidade e mortalidade, entre outros fatores.

Qualidade de vida foi um conceito criado pelo economista J.K. Galbraith, em 1958, que gera uma visão diferente das prioridades e efeitos dos objetivos econômicos quantitativos.

De acordo com este conceito, as metas político-econômicas e sociais não deveriam ser vistas somente em termos de crescimento econômico quantitativo e de crescimento material do nível de vida, mas sim de melhoria em termos qualitativos das condições de vida dos homens.

Para garantir uma boa qualidade de vida, deve-se ter hábitos saudáveis, cuidar bem do corpo, ter uma alimentação equilibrada, relacionamentos saudáveis, ter tempo para o lazer e vários outros hábitos que façam o indivíduo se sentir bem.

Essas ações geram bons resultados para a pessoa, que passa a usar o humor para lidar com situações de stress, e fazer com que sinta que tem controle sobre sua própria vida.

Qualidade de vida é diferente de padrão de vida, e muitas pessoas confundem os termos. Padrão de vida é uma medida que quantifica a qualidade e quantidade de bens e serviços que determinada pessoa ou grupo pode ter acesso.

Qualidade de vida no trabalho

O conceito da qualidade de vida aplicado no mercado de trabalho (QVT é a sigla de Qualidade de Vida no Trabalho), significa mensurar o nível de satisfação do profissional em comparação à função desempenhada dentro de determinada empresa, ou seja, o modo como este está posicionado e é reconhecido dentro da sua entidade empregatícia.

Qualidade de vida e saúde

Geralmente, saúde e qualidade de vida são dois temas muito relacionados, uma vez que a saúde contribui para melhorar a qualidade de vida dos indivíduos e esta é fundamental para que um indivíduo ou comunidade tenha saúde.

Qualidade de vida e alimentação

A qualidade de vida também está relacionada com os hábitos alimentares. Ter uma alimentação saudável e equilibrada é muito importante para o bem-estar de uma pessoa. Quando o organismo recebe as quantidades suficientes dos nutrientes e vitaminas que precisa, a sua saúde fica equilibrada e, consequentemente, a sua qualidade de vida melhora.

Muitas pessoas, principalmente mulheres, procuram meios rápidos de perder peso e, consequentemente, mudando a alimentação por meio de dietas como a regime dos pontos. Algumas conseguem mas a grande maioria não alcançam seus objetivos.

Outra maneira, que muitas mulheres estão aderindo agora é com atividades físicas como treino HIIT, que você encontra em atividades intensas em curto espaço de tempo. Levando assim a uma vida mais saudável e consequentemente a uma qualidade de vida melhor.

A melhor maneira porém é combinar os dois aspectos para alcançar uma saúde e qualidade de vida melhor e mais duradouro. 

Saúde é um direito humano fundamental, reconhecido por todos os foros mundiais e em todas as sociedades. Como tal, saúde se encontra em pé de igualdade com outros direitos garantidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948: liberdade, alimentação, educação, segurança, nacionalidade etc.

A saúde é amplamente reconhecida como o maior e o melhor recurso para o desenvolvimento social, econômico e pessoal, assim como uma das mais importantes dimensões da qualidade de vida.

Saúde e qualidade de vida são dois temas estreitamente relacionados, fato que podemos reconhecer no nosso cotidiano e com o qual pesquisadores e cientistas concordam inteiramente. Isto é, a saúde contribui para melhorar a qualidade de vida e esta é fundamental para que um indivíduo ou comunidade tenha saúde.

A Carta de Ottawa – um dos documentos mais importantes que se produziram no cenário mundial sobre o tema da saúde e qualidade de vida – afirma que são recursos indispensáveis para se ter saúde:

  • paz
  • renda
  • habitação
  • educação
  • alimentação adequada
  • ambiente saudável
  • recursos sustentáveis
  • equidade
  • justiça social

Isto implica no entendimento de que a saúde não é nem uma conquista, nem uma responsabilidade exclusiva do setor saúde. Ela é o resultado de um conjunto de fatores sociais, econômicos, políticos e culturais, coletivos e individuais, que se combinam, de forma particular, em cada sociedade e em conjunturas específicas, daí resultando sociedades mais ou menos saudáveis.

Na maior parte do tempo de suas vidas, a maioria das pessoas é saudável. Isto significa que, na maior parte do tempo, a maioria das pessoas não necessita de hospitais, CTI ou complexos procedimentos médicos, diagnósticos ou terapêuticos.
Mas durante toda a vida, todas as pessoas necessitam água e ar puros, ambiente saudável, alimentação adequada, situações social, econômica e cultural favoráveis, prevenção de problemas específicos de saúde, assim como educação e informação.
Isto quer dizer que fatores políticos, econômicos, sociais, culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem tanto favorecer, como prejudicar a saúde.
Para se melhorar realmente as condições de saúde de uma população –  um objetivo social relevante em todas as sociedades -, são necessárias mudanças profundas dos padrões econômicos no interior destas sociedades e intensificação de políticas sociais, que são eminentemente políticas públicas. Ou seja, para que uma sociedade conquiste saúde para todos os seus membros, são necessárias uma verdadeira ação inter-setorial e as chamadas políticas públicas saudáveis, isto é, políticas comprometidas com a qualidade de vida e a saúde da população.

Além destes elementos chamados estruturais, que dependem apenas parcialmente da decisão e ação dos indivíduos, a saúde também é decorrência dos chamados fatores comportamentais. Isto é, as pessoas desenvolvem padrões alimentares, de comportamento sexual, de atividade física, de maior ou menor estresse na vida quotidiana e no trabalho, uso de drogas lícitas (como cigarro e bebidas) e ilícitas, entre outros, que também têm grande influência sobre a saúde.

Se cada pessoa se preocupar em desenvolver um padrão comportamental favorável à sua saúde e lutar para que as condições sociais e econômicas sejam favoráveis à qualidade de vida e à saúde de todos, certamente estará dando uma poderosa contribuição para que tenhamos uma população mais saudável, com vida mais longa e desfrutável.

Existem, hoje, várias maneiras de em nosso dia a dia, conseguirmos alcançar e começar a ter uma vida mais saudável e melhorar nossa qualidade de vida de uma maneira mais consistente e a médio e a longo prazo. Claro que podemos nos referir a vários exemplos, mas aqui destacamos um curso especial, criado por uma personal trainner, mães de 2 filhos pequenos, que criou uma metodologia especial para mães que acabaram de ter seus filhos, a conquistarem o corpo que desejam. 

Obviamente que se funciona para recém gestantes, funcionará tranquilamente para mulheres em geral que estão buscando uma maneira prática de melhorar sua alto estima, saúde, qualidade de vida e tem pouco tempo em seu dia a dia para ir a academia. 

O programa é o curso Corpo de 21 que é totalmente online e tem acesso imediato e a qualquer momento por se tratar de vídeo aulas feitas pela produtora do curso.